sábado, 22 de julho de 2017

Super-Almanaque dos X-Men nºs 1 e 2! GEP! E as capas eram iguais!

Um dos itens considerados raros entre os colecionadores brasileiros é o Super-Almanaque dos X-Men da GEP!
O que poucos sabem é que os almanaques de encalhe tinham exatamente as mesmas capas!
A editora encadernou com as mesmas capas as edições sequenciadas publicadas anteriormente na coleção Edições GEP com as edições que publicaram os X-Men!
Abaixo as duas edições com fotos da primeira página de cada uma delas!
Em algumas situações tenho visto vendedores anunciando a nº 1 como se fosse a nº 2 e vice-versa!








A Primeira Publicação do Pato Donald no Brasil! Mirim nº 9 de 9 Julho 1937!

Está publicação é um pedido do meu amigo Rafael Sallet!
Estou devendo já fazia tempo!
O Pato Donald como todos sabem teve foi criado em 1934!
Erradamente alguns estudiosos de quadrinhos apontam a primeira publicação no Suplemento Juvenil em Outubro de 1938, o que não é verdade.
Sua primeira aparição ocorreu na revista Mirim nº 9 de 9 de Julho de 1937!
A História curta de 11 quadrinhos foi "Sinfonia Singular".
Abaixo as fotos da edição é a página da primeira publicação no Brasil, que permanecia inédita!
Curtam e divulguem e corrijam os guias com a informação errônea!







sexta-feira, 16 de junho de 2017

Estampas do Álbum O Guri 15 Dezembro 1946 a 15 Janeiro 1948!

Meu amigo Adriano Rainho inaugurou seu canal no YouTube com estas maravilhas!
Quando vi inicialmente cheguei a pensar que ele havia recortado as páginas das revistas Guri para retirar as estampas e montar o álbum.
Ele me confirmou que já adquiriu assim mesmo.
Como são imagens muitos raras e dificilmente o colecionador recorta suas revistas, resolvi publicar no Blog as imagens das 26 estampas que formavam a coleção de personagens que desfilavam pela revista Guri.
O meu amigo Sebastião Oliveira vai ter oportunidade agora de fazer o álbum para colorir das 26 estampas, porquê por incrível que pareça as estampas vinham nas revistas com a seguinte mensagem escrita na margem inferior "Colecione está estampa. Recorte pela linha pontilhada, dê colorido e cole em cartolina."
Nunca tive coragem!
Curtam as imagens de Heróis que você já conhece e outros que nunca viu!
Está é a memória dos quadrinhos!




























sexta-feira, 21 de abril de 2017

Eureka a Revista dos Quadrinhos! Editora Vecchi!

Tem revistas que não duram nas bancas de jornais, mais deveriam!
A Revista Eureka foi um destas!
Faz diferença você ter na redação de uma editora alguém que realmente goste e entenda de quadrinhos.
A diferença respondia por Otacílio de Assunção Barros (o OTA), que ficou mais conhecido por ser editor da MAD no Brasil do que pelo talento de desenhista  de quadrinhos e editor desta revista maravilhosa.
Foram somente 12 edições e 1 almanaque.
A primeira chegou as bancas em Março 1974 e a última em Janeiro de 1979.
A primeira grande diferença da edição era o formato (20,5 X 27,5).
O número de páginas variava de 68 a 82 páginas por exemplar.
Agora o que fazia diferença mesmo era o que a revista publicava!
Tivemos personagens clássicos, faroeste, ficção científica e pasmem: OBRAS DE ARTISTAS NACIONAIS! Flávio Colin com seu Vizunga, Jayme Cortez com seu Zodíako, Shimamoto e outros.
Havia uma seção chamada Eureka informa que trazia o cenário de lançamentos de novos títulos e informações sobre o mundo dos quadrinhos.
Algumas matérias muito interessantes assinadas pelo OTA como "As Tiras de Jornais no Brasil".
Também tinha a seção "Cartas de Eureka", onde podemos observar o nome de alguns ainda hoje ativos colecionadores de quadrinhos do Brasil.
Tinha também nas edições um editorial sempre que um novo personagem era lançado na revista. Estes editoriais eram informações sobre o personagem e seus autores, que para leitores que gostam de conhecer além das obras a história dos seus criadores era um atrativo a parte.
A coleção teve também edição "censurada" (a nº 1, e recolhida em decorrência de uma tira do FEIFFER). A tira trazia uma crítica ao presidente Nixon, o que um membro da família Vecchi entendeu que poderia ofender o regime de governo na época e trazer futuros problemas.
A tira foi substituída por outra e a revista levada as bancas.
A edição com a tira censurada não chegou as bancas, mas alguns exemplares foram "salvos" por membros da redação e encontram-se nas mãos de poucos colecionadores como o meu o meu amigo Luciano Lino (RJ) que tem um destes raros exemplares no seu acervo e que me ajudou com esta postagem.
Fica a dica para as editoras que ainda publicam no Brasil: Porquê não publicar revistas mistas com material Nacional e estrangeiro? Não seria uma forma de incentivar a produção nacional e criar um mercado de trabalho no País?
Com tantos talentos geniais porquê não "abrir" este mercado de trabalho?
Abaixo a capa das 12 edições!